A Primeira Punheta A Gente Nunca Esquece

ivan r santos1

Ontem eu me lembrei da minha primeira punheta. Eu tinha 11 anos de idade e estava sozinho em casa quando ouvi uma voz. Era o meu pinto falando comigo:

Pinto: Olá, garotinho.

Eu: Ah, uh, oh, ummm… Oi.

Pinto: E aehhhhhhhhh… Qui cê tá fazendo?

Eu: Nada.

Pinto: Hummmm… Legal. (pausa longa) Tudo que eu precisava era de um abraço.

Eu: Como é que é?

Pinto: Um abraço. Sacou? Me toque.

Eu: Eu não vou tocar em você.

Pinto: Poxa! Por que não? Eu estou com frio.

Eu: Você não está com frio. Você só quer que eu lhe toque.

Pinto: Que nada, eu estou congelando.

Eu: Cala a boca.

Pinto: Só um segundinho. Você sabe que você quer… Por favor.

Eu: Tudo bem. Mas é só um segundinho e acabou.

… e nessa chorumela, eu acabei colocando a cabeça na boca do jacaré.

Em questão de segundos eu estava tendo espasmos de êxtase e confusão. Eu não tinha idéia do que estava acontecendo, mas eu sabia que a sensação era muito boa.

E com a mesma rapidez que tudo começou, feito uma tsunami, as ondas de choque recolheram-se. Eu sabia que ainda estava vivo. Eu olhei ao meu derredor e constatei uma terrível descoberta. Eu estava coberto de leite.

Eu fiquei horrorizado e me perguntei: “Será que sou uma vaca? O que eu faço agora? Limpo ou preparo uma sobremesa?”

Eu entrei em pânico. Eu não sabia o que era aquilo que tinha feito, mas tinha certeza absoluta de que não deveria ter feito. Eu então agi como todo menino de 11 anos age quando apronta alguma coisa errada. Eu tentei achar um outro culpado. Como eu não achei nada ou ninguém em quem por a culpa [meu pinto havia se recolhido à sua insignificância e calado aparentemente para sempre], eu comecei a limpar  a sujeira com as minhas mãos. Foi só então que percebi que aquilo daria uma ótima cola para usar nos meus trabalhos de escola. Quanto mais eu mexia, mais sujo parecia ficar. Nesse momento eu tirei toda a roupa, joguei na lavadora , coloquei quase uma caixa inteira de Omo e liguei a máquina.

Minha mãe chegou uma hora depois e eu estava sentado no sofá, fingindo ser um garoto qualquer de 11 anos que tinha acabado de tomar um banho com um litro de leite de porra.

“Quem ligou a máquina de lavar?” ela perguntou.

“Ah, eu só estou lavando algumas pecinhas,” respondi, sem levantar a cabeça e fingindo estar compenetrado lendo uma revista que possivelmente estava de cabeça para baixo.

Ela me olhou desconfiada. “Eu lavei suas roupas hoje mais cedo.”

“Bem,” eu respondi, “ah, elas não ficaram bem limpas e estou lavando novamente.”

Minha mãe sabia que alguma coisa estava errada, mas por sorte ela não insistiu. Ela apenas me deu aquela olhada que só uma mãe consegue dar que dizia: “Eu sei que você fez alguma merda, e deve estar sonhando se acha que eu não vou descobrir que porra  foi”.

Por sorte ela nunca descobriu a tal “porra”. Até quando eu tinha 14 anos, quando ela me pegou com a mão na “massa” no banheiro.

________

irs - pés


39 comentários sobre “A Primeira Punheta A Gente Nunca Esquece

  1. Prezada Suzi,

    As figurinhas do Amar é… é do tempo da tia Pipa… ela recortava do Jornal O Globo ou era do Jornal do Brasil. Na verdade era da Última Hora ou do Jornal dos Sports [assim mesmo sem os E’s]. Bem, ao que interessa. Sou Ivan, divorciado e ainda funcionando tal qual o garoto punheteiro [sem a parte da punheta, é claro]. Olha, eu não sou bom nessa coisa de formalidades, mas sou de respeito. Portanto, comporte-se!

    Beijocas.

    Ivan.

  2. Rs

    Sabe que eu também lembro da primeira vez que…(como uma guria educada poderia dizer isso em blog alheio? Que termo usar?). Bom, tu entendeu, e eu me lembro que não queria que acabasse nunca mais na vida, poderia passar o resto da existência ali (rs) acho que tinha uns 6 ou 7 anos.

    * Espero que a dúvida sobre ser uma vaca não tenha te traumatizado, bb.

    ** Vou agora conhecer o blog novo, mas já gostei. 🙂

    Dois beijos de terça.

    ℓυηα

    1. Luna!

      O termo é siririca! Pelo menos era na minha época! Em blog alheio ou nao, só conheço essa forma de dizer. Mas, eu saquei teu recado.

      Você começou bem novinha. Não é de hoje que as mulheres sabem o que é bom pra pele. Algumas nunca se tocaram [literalmente] e perderam uma grande chance de conhecer caminhos que são muito úteis para uma vida sexual saudável e proveitosa. Acredito que esse é um tabu que ainda precisa ser quebrado.

      A dúvida da vaca demorou pouco tempo. Talvez no mesmo dia eu tirei essa dúvida… ha! [x10]

      Beijoquinhas.

      Ivan.

  3. Acho que meu comentário não entrou, lá no blog novo…o sistema é escalafobético pra mim. :s

    Mas estive lá, deixei beijos e tudo mais.

    ℓυηα

    1. Oi, querida!

      De fato o sistema de comentários não é dos melhores. Tente outra vez, mude o navegador. Há a opcao de comentar apenas como convidado [Guest only] ou fazer um ‘cadastro’ único para manter seus dados na memória. Tente as duas formas.

      Beijocas..

      Ivan.

      1. Drogaaaaaaaa! Gosto tanto do “Amor de Papelão” (tu sabe, né?) e não consigo deixar um comentário, um beijinho, dizer “Olha, estou aqui, quero ficar perto!”, nada. 😦

        Salvei nos Favoritos, mas não é a mesma coisa, quero mais.

        Saco, fiquei brava.

        Beijos, bb.

        ℓυηα

        1. Bb,

          Você já tentou registrar um email como eles pedem? Você já tentou com outro navegador [mozilla, IE, Chrome…]? Eu também lamento. Vou escrever pros caras e reclamar. Insista.

          Beijinhos.

          Ivan.

  4. Meu caro amigo,Omo( vulgo Ivan) ..

    Diante de um confessionário aos 7 anos de idade
    descobri que você pode ser considerada uma pervertida (rs) se permitir que seu cérebro límbico trabalhe naturalmente!!
    Minha primeira lista de penitencia em forma de orações era mais longa do que a ficha corrida do Marcola. (rs).

    Beijos
    *Onde Omo cai a sujeira sai*

    1. Minha doce amiga, Juju (vulgo KY)…

      Sabe aquela história do “eu queria ser uma mosquinha”? Pois bem, eu nao queria ser essa mosquinha! Deus me livre de tamanha perversão!

      Beijocas saudosas!

      Ivan.

      *Omo, aquele que deixa sua alma branquinha*

  5. Ahhhh…
    Adorei o nome: Amor de papelão, sem duvida uma combinação perfeita e poética entre nome, imagem e textos.
    Que delicia poder relembrar dos brinquedos que surgiam com caixas de papelão e uma boa cola feita a base de maisena (com z ou com s?), Dona Imaginação fazia a festa!!

    Saudades das nossas prosas

    1. Juju,

      Eu vou reclamar com o dono do msn! Eu NUNCA te encontro lá! Será que eles devolvem o dinheiro?

      Saudadona aqui!!!!

      Beijocas!

      Ivan.

  6. kkk pensaram que eu não vinha !

    também tive uma primeira vez, mas não conto…

    mas o unico dia que falei com meu pau foi quando ele se recusou a trabalhar…

    –Sobe, filho da p….justo agora ce vai fazer greve ?

    se bem que a culpa não foi dele…foi do porre que tomei…

    to indo ver o novo clube, quer dizer o novo blog…

    se não gostar eu aviso…

    1. Como assim “pensaram”? Você anda marcando encontro com um pessoal por aqui, é? Claudio, Claudio…

      Essa frase “mas não conto” é o mesmo que dizer: tou doido pra contar… conta outra… rsss

      Um abraço, figuraça! 😛

      Ivan.

  7. cara…

    não conto mesmo…principalmente pq fui pego em flaglande delito e tomei uma surra qu me deixou traumatizado !

    kkkk

    ó..o new blog ta massa ! como sempre roubei um papel de jornal la escrito e mandei pra patroa…

    ela adorou !
    mas me chamou de adolescente apaixonado…

    (pra se apaixonar (pela própria esposa) tem que ser adolescente ?)

    1. Claudio,

      Aos poucos você conta… já contou do espancamento. Ela deu em você com toalha molhada? Acertou o pinto? Quanto tempo passou até você conseguir repetir a experiência [a punheta, não a surra]? O ‘povo’ quer saber!

      Obrigado pelo elogio ao blog de imagens. É uma brincadeira gostosa. Que bom que foi útil para você e a patroa. Quer dizer, foi util pra voce, pq a patroa chutou o balde, hein? Releve a reação dela, Claudio. Algo de ruim deve ter acontecido no dia dela. Se apaixonar pela esposa é mais do que normal, alíás, é o normal. O outro lado disso, se chama divórcio. Essas mulheres… Umas querendo tão pouco e outras rejeitando tanto… rsss

      Um abraço!

      Ivan.

      PS: Hoje vou colocar um anúncio aqui no blog. Estou precisando de grana e vou vender algumas móveis.

  8. Eu ri. MUITO! kkkkkk

    Tua mãe com certeza desconfiou!

    kkkkk

    Beijos querido, e obrigada pelo afago, que valeu por um abraço.

    =*

    1. Oi lindeza!

      Ahhh, desconfiou… mães têm capacidades que nem a ciência explicam. São umas bruxas, idolatradas, salve salve… 😉

      Beijinhos e abraço! Fique bem!

      Ivan.

      1. Kkkkkkk É verdade, viu?

        =** Beijocas!

        Ps. Saudades de você lá no blog, viu?
        Mas te vi passeando pelo Céu agora à noite, então tá mais ou menos perdoado.

        Ps. do Ps. Mas amanhã sou eu quem posta lá, se não passar, fico brava! 😉

        Ps. do Ps. do Ps. Já viu Ps’s maiores que o ‘texto’ em si? hehehe 😉

    1. Oi Rô,

      Eles estão por aí, Rô. Perdidos ou achados no corpo do texto… eu apenas escrevo, quem acha são vocês. Espero que você volte a encontrá-los, meu bem. A qualquer momento eles reaparecem pra você e a qualquer momento eles podem não mais existir. Por enquanto ainda tenho prazer em escrever. Não sei o quanto mais vai durar essa ‘punheta’ literal.. rsss

      Que bom que você continua lendo e comentando. Me é especial.

      Beijocas.

      Ivan

  9. ahhhh a infancia….
    que saudades…rs
    Nem imagino a minha reação, como mãe, pegando meu filhote com a boca na botija…rs
    Pra mãe filho é sempre nene….já pensou????
    Ai ai ai….preciso de um terapeuta pra superar…
    Bjins

    1. Babbi,

      Por que é que eu tenho a impressão de que no dia que você encontrar o Junior descabelando o palhaço você vai dar uma festa, hein? Por que? Por que? Terapia… humpf

      rsss

      Beijocas.

      Ivan.

  10. Como sempre, um texto divertido que me alegra! Adoro!

    Gostei muito do seu blog novo…

    Beijos

    1. Oi querida,

      Te desejo sono em noites insones. Mas, se meu desejo não se realizar, fico feliz por aliviar o peso. Mais bálsamo para ti.

      Ivan.

  11. a minha foi no quarto do meu primo,eu tinha 13 anos fui pega um cd nas coisas dele ai achei umas revistas de mulher pelada ai comecei a esfrega o pau nas fotos e quando eu vi gozei,tomei um susto ñ sabia oq era

  12. Olá, meu nome é Robson, sou moreno claro, 1,80 de altura, 80 kilos, sou bem forte e malhado, corpo todo lisinho, tenho pelos só na rola e no suvaco, bunda durinha e empinadinha, e uma rola de 20x8cm, grande, grossa e cheia de veias saltadas, chega a ser quadrada de tao grossa, é bem cabeçuda e sou bem sacudo, demoro bastante pra gozar, e quando gozo dou 8 esguichadas, lavo tudo de porra, sou extremamente insaciável no sexo, gosto de dar o cu, mas minha especialidade mesmo é meter a rola em um cuzinho bem gostoso, gosto de meter sem dó, sentir minha rola entrando bem lá no fundo e ouvir o cara gemer, gosto de meter com o cara de frango assado, vou metendo e beijando a boca dele, alisando o corpo dele, esfregando meu corpo molhado de suor no dele, sou bastante fogoso, tenho pegada forte, tenho atitude e tenho bastante fôlego, amo me lambuzar na brincadeira, sou másculo, gato, charmoso e cheiroso, nao faço sexo por dinheiro, mas sim por puro prazer, um grande abraço a todos! 19 998491029.

    1. Se eu pudesse eu te dava uma porta de banheiro numa lanchonete de beira de estrada. Seu texto merecia uma porta inteira. Seu louco!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s