Upgrading a relação

Irina, esses últimos meses têm sido maravilhosos. Você é uma mulher incrível e me sinto como se eu fosse o homem mais sortudo do mundo por ter alguém como você em minha vida. Eu sei que no início eu disse para irmos devagar, mas agora eu estou pronto para jogar toda cautela no lixo e dar o próximo passo lógico, ou seja, eu quero  usar o Skype com você.

Esse é um compromisso enorme, afinal de contas a gente começou a trocar mensagens particulares há apenas poucas semanas atrás, mas eu sinto que você é a pessoa que mais me entende. Às vezes eu estou no computador, apenas surfando na net e pensando em você, quando de repente seu nome aparece na janelinha de chat do MSN. Se isso não for um sinal de que devemos ficar juntos para sempre, o que será então?!

Antes de eu te conhecer eu havia desistido de procurar amor, especialmente quando as coisas não deram certo com paula_rola69. Caramba, aquela vadia nunca me levou numa viagem virtual, se é que você me entende [é claro que você me entende!]. Nós estávamos juntos por oito meses, e o dia em que eu me declarei via VoxCards, aquela vaca idiota me escreveu dizendo que estava namorando um cara que ela conheceu na vida real. Só mais tarde que eu fui descobrir que a vagabunda nunca me levou a sério e preferiu trocar uma relação virtual segura por uma relação real efêmera.

Eu admito que fiquei amargurado por um bom tempo – quatro anos e meio para ser preciso – mas hoje compreendo que para eu e você termos alguma chance no amor, eu preciso deixar o passado para trás e pensar só no futuro. Não é toda hora que eu conheço alguém como você, Irina. Alguém que tem conta no Orkut, Facebook, MySpace, 15 blogs, Par Perfeito, Twitter, ICQ, Yahoo, AOL, Google Talk, e Skype, e além de tudo isso, tem os seus amigos que dizem que você é loira, de olhos azuis e de seios fartos. Se eles dizem, eu acredito!

O fato de você estar na Rússia e eu em prisão domiciliar, devido a uma acusação falsa de assédio sexual, pode motivar algumas pessoas a acharem que somos loucos por darmos vazão a esse nosso desejo. Vamos deixar que eles pensem o que quiser…no fundo sabemos a verdade.

De qualquer maneira, eu espero que você considere a minha proposta seriamente. Você é tudo pra mim e não consigo imaginar minha vida sem você. Quem sabe, se as coisas derem certas com o Skype, talvez um dia a gente ache um programinha mais avançado…

Ah, a propósito, quando você fizer o login pela primeira vez, use aquele corpete vermelho da Victoria’s Secret do qual você me falou na noite passada…grauuuuuuu!!!

. . . . . . . . . . . . . .


Add to FacebookAdd to DiggAdd to Del.icio.usAdd to StumbleuponAdd to RedditAdd to BlinklistAdd to TwitterAdd to TechnoratiAdd to Yahoo BuzzAdd to Newsvine

39 comentários sobre “Upgrading a relação

  1. Irina, minha filha, que sorte, hein? Que homem incrível, seguro, firme, com iniciativa, postura de macho, mesmo, um exemplar raro…rs

    Bb, acho que essa virtualidade toda, quando não usada da forma saudável, cria um abismo imenso entre as pessoas, em vez do vínculo de proximidade que elas pensam estar ajustando. Crítica muito bem feita, gostei demais.

    Sempre penso e peso, tenho em mente que as minhas relações com as pessoas que eu gosto são reais, virtual é apenas o meio. Se não for assim, algo está errado…beeeeem errado.

    * A pergunta : o que é possível tocar, ver com os próprios olhos, tirar a prova dos nove, o ser humano quer tentar. Faz parte da nossa condição, enfim, temos fome de experiências práticas, a teoria não sacia.

    Claro que isso pode ser racionalmente direcionado, de forma que a gente empregue essa energia “curiosa” em coisas mais interessantes do que paredes com tinta fresca. 😉

    Beijo, beijo.

    ℓυηα

    1. Luna,

      Parabéns por sua perspicácia!

      Eu sou um fã confesso das possibilidades que existem no mundo virtual. Acredito que a internet nos proporcionou uma oportunidade imensa para virarmos a base da pirâmide das relações, que é normalmente estabelecida em “vi, gostei”. Por outro lado, o virtual pelo virtual é mentecapto e ignóbil. O personagem da crônica [crítica] é um pateta que se enjaulou e se satisfaz no contato cibernético. Isso eu rejeito acintosamente! Gostei da sua harmonização entre as relações e os meios.

      Beijão.

      Ivan.

      1. depois dessa…só me resta cancelar a conta do msn, desligar o pc e pegar o primeiro onibus que passar…só pra ver gente de verdade…

        mas como fazer isso, conhecer gente, se aqui (desculpe minha critica paulistana,mas não é só aqui não ! ) as pessoas andam de cabeça baixa na rua e não se olham nos olhos ?
        Se vc da um sorriso pra menina do caixa e ela te devolve um “mais alguma coisa” com cara de poucos amigos?
        Se vc tenta um papo e a primeira coisa que a pessoa faz é se levantar da mesa, se virar do balcão, ou o que seja e nem responder a sua misera pergunta de “que horas são ?” ???

        É, Ivan e meninas, o mundo virtual está tomando conta do mundo real…e as pessoas cada vez mais se escondem atras de um nick e mentem sobre sua realidade…

        Abçs

        1. Cláudio,

          Estou tomando a liberdade de responder pq vc mesmo se dirigiu às “meninas”, e bem, eu sou uma das assíduas aqui.
          Fico triste com a sua constatação. Felizmente, pra mim, moro numa cidade mundialmente conhecida pelo calor humano, e realmente, o carioca é extremamente gentil. Aqui as pessoas sorriem, se cumprimentam no elevador, e eu (metida que sou) canso de puxar conversa, onde quer que seja, e geralmente as pessoas recebem bem a investida. De verdade.
          Mas sei que isso é exceção, a regra por aí é outra.
          Não acho que vc deva cancelar todas as suas contas virtuais e pegar um ônibus pra sair e conhecer gente. Pode parecer besta, mas ainda acho que tornar reais as relações virtuais é um bom começo. Mas apenas um começo.
          De repente lutar com mais convicção contra os olhos baixos, falando mais “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite” nos corredores e elevadores da vida, quebrando o gelo com mais sorrisos seja uma alternativa melhor. A resistência, a gente quebra com a insistência. 😉

          Mas me diz uma coisa, onde o senhor mora? És de Sampa, mas ainda mora nela?

          Beijos

        2. Amigo Claudio,

          Se você for jogar fora o pc, joga no lixo aqui de casa! Ha!

          Olha só Claudio, já dizia o grande filósofo Dicró que quem não chora não mama! Você chorou, agora é só mamar. Achei um espetáculo o seu desabafo, e concordo com você que a coisa do lado de lá e/ou de cá tá braba! Te peço uma coisa: não deixe de olhar nos olhos, de ser gentil com a mulher do caixa e com a garçonete [e com o garçom]. Isso a gente faz por conta do que somos e não por aquilo que eventualmente poderemos obter. Você é um bom homem, Claudio, e parece ter gosto pelas pessoas e por boas relações. Nesse mundo frio e individualista, o importante é seguir o conselho extraordinário da Maíra, ou seja, insista! Falando em Maíra, eu acho que ela te deu o maior mole… chega junto, ela tem twitter! 😛

          Um abração!

          Ivan.

          PS: The only way to have a friend, is to BE one. 😉

          1. Ivan, meu bem, não dei mole pra ninguém.
            Você sabe muito bem que eu só tenho olhos pra você, e nunca daria mole pra outro cara bem no meio dos comentários do seu blog.

            Cláudio, não se sinta ofendido, não estou te desmerecendo de maneira alguma. É que sou uma menina comportada e fiel ao Ivan.

            Hauhuahuahua

            Beijo beijo

              1. Pois é, Ivan e Maira…

                Maira, o Senhor mora no céu, mas eu sou de Sampa, mas moro em Curtiba, terra do não olhar nos olhos…(rsrs)
                E vou te dizer, só aqui (desculpa ai, curitibanos, não quero polemizar) as pessoas não se olham…Ja fui ao Rio e realmente ai chega a ser complicado, carioca gosta de puxar papo…em Sampa, nem puxam tanto papo, mas respondem, pelo menos, nem que seja com um “não enche!”…eu faço minha parte, cumprimento, olho nos olhos das pessoas, digo com dia ate pros cachorros na rua.
                Não me deixo abater…
                Ivan, assim ce me quebra as pernas…tomei um fora logo de cara…mas valeu pela ajuda…kkkkk

                Brincadeira, Maira, vc é linda e se mostrou sentata, mas só tenho olhos apaixonados pela patroa…

                quem sabe um dia o Ivan faz um churrasco e todo mundo aqui se conhece de verdade (pra quem ja não se conhece)

                Ivan, quer saber o que faz com essa menina…me manda um email que te conto…depois vc publica num papelão…

                abçs

  2. eita, partir pro skype é uma grande passo hein…

    sobre o ‘papelão preto’: só pq não dá pra acreditar em tudo né? e vamos combinar q contar um bilhão de estrelas levaria muito tempo.
    bjs

  3. “O fato de você estar na Rússia e eu em prisão domiciliar..” – foi o melhor! hahaha

    mas é verdade… essa ‘mudernidade’ ainda salva a gente! [quando evoluir rs]

    beso, xoo!
    boa semana

    1. Linda Rafaela,

      Adoro a modernidade. Atualmente venho trocando fluidos virtuais e conhecendo biblicamente uma moça lá do Alaska. Ela não é nada fria e estamos quase ligando a webcam. Torça pela gente. Se der certo eu vou tuitar tudo a respeito.

      Beijoc@s.

      Ivan.

    1. Valéria, meu bem.

      Não tenha medo. Estude um pouco de HTML, programação Java, Cisco e Oracle porque estou pensando em investir em nossa relação!

      O que acha de abrirmos uma conta no hotmail para nos conhecermos melhor. Como você é?

      Ha!

      Beijinhos via WebMessenger.

      Ivan.

      1. …e se tudo der certo, podemos nos seguir no Twitter!
        Yey!

        heheh…beijos meu querido, como sempre, rendendo ótimas risadas!

    1. Luna, minha musa virtual… saudades de você.. a última vez que falamos você estava com planos de noivar com um rapaz vivendo lá na Groelândia. Eu disse pra você que isso só seria possível se você tivesse ao menos 3GB de memória RAM. Você seguiu meu conselho? Você sabe que para uma relação virtual dar certo é necessário um bom processador e HD.

      Ha!

      Saudades de verdade. Você faz falta na blogosfera! Volta logo!

      Beijinhos.

      Ivan.

  4. Lendo o seu post me lembrei daquela música do Jota Quest….”Não alimento amor por telefone, isso é ilusão..Não adianta falar de amor ao telefone, isso é ilusão”.

    Virtual é bom, mas a pele, o cheiro, a visão do amor é muito mais interessente quando podemos tocá-lo!!
    E é por isso que passamos a mão na parede…pra ver se é real ou se é inacessível como as estrelas..

    Uma maravilhosa semana pra vc!!!

    Beijos( estou afônica)

    1. Sol que brilha e aquece,

      Amei o seu paralelo com o texto e com o texto da imagem… foi um ‘insight’ pra mim. Ótimo, ótimo e ótimo!

      Tenha uma semana fantástica.

      Beijos.

      Ivan.

  5. Isso que é amor ‘virtual’, o resto… well, nem importa, né?!
    Mas quem iria trocar “…uma relação virtual segura por uma relação real efêmera…”? Só louco, né?!
    Ainda bem que não ‘bato muito bem’!!!! 🙂
    Beijos

    1. Eu também não troco! Eca.. esse negócio de beijo melado, ter que dividir o edredon, tomar banho junto, tomar sorvete com a mesma colher… cruuuuzes… prefiro amar com meus emoticons!

      Haha!

      Beijinhos.

      Ivan.

  6. Ivan, o terrivel !

    cara, não ia te falar…mas como sou seu amigo, me sito compelido a te, digamos, abrir a web cam…

    Namoro a Irina a muito tempo e sinto informa-lo, mas pra mim ela é morena de olhos verdes…

    E no Skipe, nao sei pq, a voz dela é horrivel !

    kkk

    brincadeira, véi…

    gostei do texto, me senti um perfeito idiota depois de ler…acho que preciso sair mais e conhecer pessoas reais…

    abçs

    1. Irina filha da puta!

      PS: A ideia aqui não é se sentir um perfeito idiota, se for esse o caso, não escapa um meu brother. Só vale essa definição se for num contexto coletivo, isto é, se você disser que somos todos um bando de idiotas, então eu concordo. Somos. Todos. rssss

      A crônica/crítica é em prol do equilíbrio e jamais para deixar ninguém constrangido ou se sentido inconveniente. Se a gente fizer isso, o bando de idiotas vai diminuindo… rss

      Abração

      Ivan.

      1. ser idiota é melhor parte da vida…

        mas prefero ser um idiota real a um esperto virtual…

        kkkkk

        (véi…to ficando bom nisso de comentar blogs…kkkkk)

        abçs

  7. Mandou muito bem!

    Concordo plenamente com a Luna (Sanchez) quando ela diz que “virtual é só o meio”. Eu pelo menos sinto que todas as minhas amizades são reais, apesar de ter alguns de vocês que eu ainda (e bota ainda nisso) não vi “de verdade”. Mas sabe, é só uma questão de oportunidade.
    Por outro lado não acredito em namoro à distância. Acho que uma relação amorosa exige toque, e não existe meio virtual que substitua isso… Bem, isso é pra mim, tem quem saiba administrar este tipo de relação.

    1. Maíra,

      Se entendi direito, você nao acredita em namoro à distância sem eventuais encontros ou possibilidades de encontros, correto? Nesse caso, realmente é lenha! Mas namorar em cidades diferentes é super possível e pode ser uma relacao extremamente especial e bem sucedida. Já aconteceu comigo e indico!

      Beijocas.

      Ivan.

    2. Não exatamente…
      Eu não lido bem com distância quando o assunto é amor… Nunca começaria um namoro com um cara que não more “perto”. Por mais que eu não faça, eu quero saber que se der uma dor no peito em uma quarta-feira qualquer, que eu posso pedir colo sem ter que me preocupar com como vou e como volto. Deu pra entender? Cidades diferentes, pra mim, no máximo um Rio – Petrópolis, e mesmo assim, nem tanto. rs
      Mas não sou radical a ponto de dizer que terminaria um namoro estável por conta de distância. Numa situação excepcional, com prazo pra acabar, e alguns fins de semana pré-programados juntos, seguraria as pontas.
      Conheço muita gente que consegue levar relacionamentos à distância numa boa, e pelo visto, você é mais um. Nada contra, de verdade, mas é que pra mim, não rola…

      Beijoca

  8. Olá Ivan!

    “Eu quero usar o Skype com você” foi ótimo!(rs). O máximo de comprometimento desse “Amor Líquido”.
    E se ele não gostar do corpete vermelho é só pressionar uma tecla, não é?

    Beijos,
    D.

    1. D.

      Você disse tudo. Nesse mundo, tudo se transforma ao toque de uma tecla. Tudo!
      É um grande barato e eu curto.. rssss

      Beijocas.

      Ivan.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s