9 comentários sobre “Onde olhos de folha a viam, e onde olhos de folha eram vistos…

  1. Que coisa, né, Ivan?

    É tão lindo, terno, feito com tanto cuidado, tanto amor…nem precisava tanto, nem precisava.

    Tem detalhes que provocam riso e choro, como as correções feitas “a mão”, tanta delicadeza…é, não precisava.

    Eu venho, leio, levo, volto, busco mais, levo…é areia muita, para o meu carrinho.

    Não precisava (♪ “Pode ser até pouquinho,
    sendo só pra mim, sim” ♫), mas é tudo isso. Cada vez mais mágico.

    Beijos, parabéns!

    ℓυηα

    1. Luna, meu bem.

      Seus elogios são importantes, sobretudo porque admiro o que você escreve e sei o preço que custam suas palavras. Muito obrigado mesmo!

      Eu precisava de algo mais para ter coragem e escrever coisas assim, eu precisava de muito mais para conseguir escrever coisas que naturalmente não ocupam a minha cabeça insana de escritor de sandices. Algo que eu acabasse de escrever e não falasse — ‘Você não vai publicar uma coisa dessa’. Ou, ainda maior, algo que me deixasse extremamente empolgado e satisfeito em publicar. 🙂 Esse algo mais é uma coisa meio funambulesca chamada ‘amor’. Sem amor não dá. Não dá. Se o amor existir, se ele crescer, se ele fizer parceria, me tomar pela mão, der alguns passos comigo e então disser — vai lá corre — eu acredito que conseguirei sempre. Foi escrito com amor, ‘com’ de parceria. Amor e eu.

      Ah, se todos escrevessem com amor…

      Beijocas, minha lindinha.

      Ivan.

  2. Já li isso mil vezes, já vi o clipe mil vezes, e é lindo e real, aquela realidade feita da magia cotidiana, é a mesma matéria, sabe? A música não poderia ser mais perfeita … fico achando que as palavras tem o poder de construir a realidade. Será que tem, Ivan?

    1. Pingo,

      Se as palavras não tiverem esse poder, eu simplesmente não vejo mais razão pra escrever, e talvez a vida passe a ser estupidamente sem sentido.
      Eu acredito que elas têm sim. Acredito que a realidade quase sempre depende do poder das palavras.

      Beijocas em você.

      Ivan.

  3. Ivan,
    Depois de te ler, de ver o vídeo, de imaginar… as palavras somem… porque só você sabe, como ninguém, falar de amor… A nós, simples mortais, cabe apenas a admiração e o desejo de, um dia, poder estar lá, entre as árvores com alguém que consiga nos ver, assim…

    Mas, de uma coisa não tenho dúvidas: já quero mais fábulas! =D

    Um beijo

    1. M.M.,

      Você sabe como elogios me deixam atrapalhado. Por outro lado, eu fico super animado por tudo que você escreveu porque essa é uma praia que você realmente domina. Estou feliz por pessoas como você que sabem ler o que se escreve com emoção.
      Que nós mortais, todos, possamos ver e ser vistos entre árvores.

      Beijoquinha.

      Ivan.

  4. Ah! Que coisa mais terna e delicada, adocicada…

    É… temos nossos bosques e árvores… mas quando descobrimos que há outros que também tem sonhos, nos sentimos rio, não mais regato… nos tornamos florestas e não mais só mato. E o sol nos inunda pelo calor do afago e olhos nos dão cor pelo brilho do reparo.

    Cada alma tem sua fragância… e as palavras, quando em parceria com o amor, exalam até o infinito, perfumes chamados sentimento e vida.

    E o que seria um do outro sem estarem juntos?

    Esse é o grande mistério, a grande magia de viver: fundir em nós a essência do que nos faz sentir, e ter sentido.

    Mil Bjux

    1. Querida Leníssima,

      Seus comentários são todos uma poesia. Coisa mais linda.. rsss Quando é que você vai começar esse teu blog? 😛

      Beijinhos.

      Ivan.

      1. Então…

        Me sinto como uma virgem em noite de núpcias… ansiosa, receosa, feliz, entusiasmada, curiosa… tudo ao mesmo tempo por causa desse Blog!!! e até tesão, porque não? Rsrsrsrs
        Afinal, o novo é uma grande delícia!!!
        Adooooooro!!!
        Já tenho esboçados alguns tópicos e temas bem legais a serem desenvolvidos, agora estão em processo de formatação.
        Calma! falta pouco!
        Obviamente, com todos os receios de amadora e meio acanhada em princípio, mesclado com a fome desarvorada de quem quer comer tudo de uma vez e, se lambuzar!
        Por isso, preciso de conselhos (freios!), por causa do meu “tempero literário”, que em geral, é chocolate com muita pimenta!!!
        Arreeee!!!

        Bjokas anjo!
        Smashsssssssssss!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s